domingo, 15 de junho de 2008

Saying a little prayer...

Nessas horas eu sinto um orgulho bobo de ser quem eu sou! De viver minha vidinha de forma simples e direta, de ter quem eu tenho e ser só felicidades. Eu não preciso de muito pra ser feliz não, só de um pouquinho de dinheiro pra pagar as contas e me dar a certos luxos, de estar com aqueles que quero estar, de acreditar na vida na maior parte do tempo, de cuidar de mim. Daí que nessas horas é como se uma "mão de Deus" viesse sobre a gente pra lembrar que estamos aqui. Sim, Ele tem muito trabalho, não pode acompanhar-nos o tempo todo... precisa muitas vezes é cuidar de outros que estão em situação muito diferente, muito complicada (e como tem gente complicada nesse mundo, modéus). E como conhece e confia, Ele nos deixa assim, soltinhos, pois sabe que quando voltar estaremos aqui com um sorriso infantil de agradecimento. Eu agradeço sempre, há um tempo que aprendi que pedir é bom, mas agradecer é preciso. Faz parte daquela ordem das coisas. Eu já pedi tanto, tanto... mas nessas horas tenho vontade só de agradecer... Não tenho aquele "peso" do que vai acontecer, de quem fez algo errado, de quem descomportou-se. Sei que meus descomportamentos são descomportamentos naturais e perfeitamente compreensíveis. Pecado é pior, pecado é mau, é ruim... por isso mesmo que sei exatamente quando algo é grave ou razoável. E então tem a hora certa de parar! Mas enfim, nessas horas que tudo é só colheita, eu sei que tenho sido um bom menino e isso já me basta. E então no tête-a-tête eu prefiro ficar mesmo é com meu sorriso bobo e agradecer. Como quem encontra seu Pai por um breve momento e não tem nada além de abraços!

Obrigado Paizinho!!!